Por economia, prefeitura corta leite dos servidores

“Temos que economizar”, foi assim que a administração justificou o corte no fornecimento de leite para servidores que trabalham em diversas áreas, consideradas de alto índice de insalubridade.

O corte, no entanto, foi apenas para um grupo de servidores que participaram ativamente da última greve da categoria. Lembrando que esses servidores trabalham com aplicação de veneno, massa asfáltica, ou manuseiam produtos químicos.

Não defendemos, e não poderíamos defender que o leite tem papel antitóxico e que pode evitar doenças do trabalho. O leite possui todas as qualidades necessárias ao organismo humano, sendo composto por proteínas, gorduras, hidratos de carbono, vitaminas essenciais e sais minerais, que são indispensáveis à atividade diária, atuando como fonte de nutrientes e energia, proporcionando uma alimentação de alto valor biológico ao trabalhador.

Ao nosso ver, suspender o fornecimento de dois litros de leite para esses servidores, que não são muitos, não gera nenhuma economia significativa à administração. É sim uma represália por quem luta por seus direitos e não aceita as imposições de uma administração coronelista. O leite faz parte da cesta de alimentação dos servidores, pois era fornecido há mais de nove anos, portanto, um direito adquirido.

 

Texto extraído do jornal O Servidor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *